POLÍTICA INDUSTRIAL E CATCHING-UP DA ESTRUTURA PRODUTIVA CHINESA ENTRE 2007 E 2014

Antônio Carlos Diegues, Mateus Guerreiro Pellegrini, Thiago Noronha

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de examinar a capacidade de executar catching-up produtivo e tecnológico, bem como suas relações com a forma de acoplagem às cadeias globais de valor por parte da China entre 2007 e 2014. Para isto, examina-se as motivações da estratégia nacional de desenvolvimento chinesa e o uso de políticas industrial e tecnológica e se mensura a participação em termos de valor adicionado pela China à indústria de transformação dos Estados Unidos no referido período. Os resultados apontam um acoplamento virtuoso por parte da China à indústria de transformação dos EUA e às cadeias globais de valor, de modo que ela eleva sua participação e importância de modo generalizado, mas especialmente em setores e atividades intensivos em tecnologia e conhecimento. Isto é, os maiores incrementos residem nos setores e atividades capazes de arranjar melhores possibilidades de catching-up e são justamente os espaços selecionados pela política industrial e tecnológica e a estratégia nacional de desenvolvimento chineses.


Palavras-chave


Política Industrial. Cadeias globais de valor. Catching-up. China. Indústria de Transformação.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Araújo, C. G., & Diegues, A. C. (2019). Padrões de inserção externa nas cadeias globais de valor: uma análise de Brasil e China a partir da sofisticação tecnológica do valor adicionado nas exportações. ENEI.

Araújo, C. G., Brandão, C. M., & Diegues, A. C. (jul/dez de 2018). As transformações no modelo de desenvolvimento econômico chinês: de Deng Xiaoping ao período atual. Economia Ensaios, 33(1), pp. 1-40.

Baldwin, R. (2012). Global supply chains: Why they emerged, why they matter, and where they are going. Global Value Chains in a Changing World, pp. 13-59.

Banco Mundial (BIRD). (2021). World Bank Data: banco de dados. Fonte: https://data.worldbank.org/

Biancarelli, A. M., & Filippin, F. (jul-dez de 2017). O Estado e seu papel industrializante: uma contribuição ao debate sobre o desenvolvimentismo. Cadernos do Desenvolvimento, 12(21), pp. 155-186.

Burlamaqui, L. (2017). Schumpeter goes to China: entrepreneurial state, socialization of investment and creative destruction management. UFRJ, Rio de Janeiro.

Cambuhy, M. C. (2019). Desenvolviment e regulação do trabalho na construção da "sociedade harmoniosa" chinesa. São Paulo.

Cano, W. (Dezembro de 2012). A desindustrialização no Brasil. Economia e Sociedade, 21, pp. 831-851. Acesso em 04 de 07 de 2021, disponível em https://www.scielo.br/j/ecos/a/n6w4hPXK6zwZ3YJYTmQGjLJ/?format=pdf〈=pt

Cintra, M. A., & Pinto, E. C. (abril/junho de 2017). China em Transformação: transição e estratégias de desenvolvimento. Revista de Economia Política, 37, 381-400. Fonte: http://dx.doi.org/10.1590/0101-31572017v37n02a07

Conti, B. D., & Blikstad, N. (2018). Impactos da economia chinesa sobre a brasileira no início do século XXI: o que querem que sejamos e o que queremos ser. Em R. Carneiro, P. Baltar, & F. Sarti, Para além da política econômica (pp. 55-90). São Paulo: Editora Unesp Digital.

Corrêa, L. M., Castilho, M. d., & Pinto, E. C. (jan-abr de 2019). Mapeamento dos padrões de atuação dos países nas Cadeias Globais de Valor e os ganhos em termos de mudança estrutural. Economia e Sociedade, 28(1(65)), pp. 89-122.

Diegues, A. C., & Milaré, L. F. (Julho de 2015). A industrialização chinesa por meio da tríade autonomia-planejamento-controle. Leituras de Economia Política, 22, pp. 65-98.

Diegues, A. C., & Roselino, J. E. (Janeiro de 2020). Política Industrial, Tecno-nacionalismo e Indústria 4.0: a Guerra Tecnológica entre China e EUA. Texto para Discussão, IE - Unicamp(401).

Dosi, G. (2006). Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Campinas: Editora Unicamp.

Evans, P. (2010). Constructing the 21st century developmental State: potentialities and pitfalls. Em O. EDIGHEJI, Constructing a democratic developmental State in South Africa (pp. 37-58). Cidade do Cabo: HSRC Press.

Golub, P. S. (1 de Outubro de 2003). China, o "dragão asiático". Le Monde Diplomatique Brasil. Fonte: https://diplomatique.org.br/china-o-dragao-asiatico-2

Gouveia, E. M. (2012). Salários Industriais, Acumulação de Capital e Exportações na China. Rio de Janeiro.

Hatzichronoglou, T. (1997). Revision of the High-Technology Sector and Product Classification. OECD Science, Technology and Industry Working Papers(1997/02). doi:https://doi.org/10.1787/134337307632

Hiratuka, C. (2018). Mudanças na estratégia chinesa de desenvolvimento no período pós-crise global e impactos sobre a AL. Campinas: IE - Unicamp.

Lee, K. (2019). The Art of Economic Catch-Up: Barriers, Detours and Leapfrogging in Innovation Systems. Cambridge: Cambridge University Press. doi:https://doi.org/10.1017/9781108588232

Masiero, G., & Coelho, D. B. (janeiro-março de 2014). A política industrial chinesa como determinante de sua estratégia going global. Revista de Economia Política, pp. 139-157.

Medeiros, C. A. (2008). China: Desenvolvimento Econômico e Ascensão Internacional.

Morceiro, P. C. (2018). A indústria brasileira no limiar do século XXI: uma análise de sua evolução estrutural, comercial e tecnológica. São Paulo.

Naughton, B. (2021). The rise of China's Industrial Policy: 1978 to 2020 (1ª ed.). Cidade do México: Universidad Nacional Autónoma de México.

OECD. (1987). Structural adjustment and economic performance. Organization for Economic Cooperation and Development.

Organização das Nações Unidas (ONU). (2021). COMTRADE - Divisão de estatística (UNSD): banco de dados. Fonte: https://comtrade.un.org/

Pavitt, K. (1984). Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy(13), 343-373.

Peters, E. D., & Gallagher, K. P. (Agosto de 2012). NAFTA’s uninvited guest: China and the disintegration of North American trade. CEPAL Review(110), pp. 83-108.

Pinto, E. C., Fiani, R., & Corrêa, L. M. (2015). Dimensões da Abordagem da Cadeia Global de Valor: upgrading, governança, políticas governamentais e propriedade intelectual. Texto para Discussão - IPEA, 2155.

Sarti, F., & Hiratuka, C. (dez. de 2010). Indústria Mundial: mudanças e tendências recentes. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, n. 186.

UNCTAD. (Dezembro de 2013). Measuring value in global value chain. Transnational Corporations, 21(3), pp. 33-55. Fonte: https://doi.org/10.18356/dd847f8a-en

Wanming, Y. (06 de Julho de 2021). China seguirá a direção do socialismo com características próprias. Veja. Acesso em 31 de 08 de 2021, disponível em https://veja.abril.com.br/mundo/china-seguira-a-direcao-do-socialismo-com-caracteristicas-proprias/

Weiss, L. (jan-abr de 2011). A volta do Estado: aprendendo com os BIC? O Estado de transformação: volta, renovação, ou redescoberta? Desenvolvimento em Debate, 2(1), pp. 9-31.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2022.n255.p19-55

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais