CONFLITOS E RESISTÊNCIA: COMUNIDADES TRADICIONAIS PESQUEIRAS DA BAHIA

Kassia Aguiar Norberto Rios

Resumo


Uma das temáticas que têm ganhado relevante destaque nas últimas décadas, no cenário nacional, refere-se aos constantes conflitos envolvendo comunidades tradicionais. No Brasil, existem atualmente cerca de 6 milhões de pessoas que compõem as comunidades tradicionais, sejam estas: indígenas, quilombolas, extrativistas, pescadores, ribeirinhos, etc. O presente trabalho tem como objetivo, analisar o cenário que envolve historicamente as comunidades pesqueiras da Bahia, com destaque para as contradições que estas têm vivenciado e as ações de resistência empreendidas. Considerada a principal atividade econômica de inúmeras comunidades tradicionais litorâneas /ribeirinhas do estado, a prática da pesca artesanal é caracterizada por extremos laços de identidade, pertencimento e principalmente, respeito, onde são desenvolvidos valores simbólicos e materiais que asseguram o seu modo de vida tradicional e, por vez caracterizam suas territorialidades. Especificidades, na maioria das vezes, invisibilizadas pelo Estado e/ou empresas privadas (nacionais/internacionais), quando da desestruturação e/ou retirada de uma comunidade de seu território para implantação de grandes obras. Daí a luta e as inúmeras ações de resistência e reivindicação dessas comunidades pela regularização de seus direitos territoriais. 


Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri (Org.). Cartografia social e dinâmicas territoriais: marcos para o debate. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR, 2010.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial, Brasilia, DF, 07 fev. 2007.

BRASIL. Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA). Dados do Registro Geral da Pesca – Colônias, Associações, Sindicatos e Cooperativas. MPA, 2015.

CARDOSO, Eduardo S. Da apropriação da natureza à construção de territórios pesqueiros. In: GEOUSP – Espaço e tempo, São Paulo, n. 14, p. 119-125, 2003.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA (CPT). Questão Agrária no Brasil, 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

DIEGUES, Antonio Carlos. Comunidades Litorâneas e Unidades de Proteção Ambiental: Convivência e Conflitos. O caso de Guaraqueçaba, Paraná. São Paulo: NUPAUB-USP, 2004.

______. Pescadores, Camponeses e Trabalhadores do Mar. São Paulo: Ática, 1983.

______. (Org.). Os Saberes Tradicionais e a Biodiversidade no Brasil. São Paulo: NUPAUB; PROBIO-MMA, 2000.

FERNANDES, B. Entrando nos territórios do Território. São Paulo: UNESP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2016.

GERMANI, Guiomar I. Questão agrária e movimentos sociais: a territorialização da luta pela terra na Bahia. In: COELHO NETO, A. S et al (Org.). (GEO)grafias dos movimentos sociais. Feira de Santana: UEFS Editora, 2010.

ESTERCI, Neide. Cada povo tradicional tem uma identidade, uma história, uma memória partilhada e um território. In: Almanaque Brasil Socioambiental: uma nova perspectiva para entender a situação do Brasil e nossa contribuição para crise planetária. São Paulo: ISA, 2007.

KUHN, E. R. A; GERMANI, G. I. Pensar o campo baiano a partir da pesca artesanal: relações e possibilidades. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 16., 2010, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), 2010.

LITTLE. Paul E. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil. Por uma antropologia da territorialidade. Série Antropológica, 322, 2002.

MARTINS, L. R; RAMOS, M. H. R. Territórios em disputa: a instalação de grandes projetos e sua relação com a comunidade local. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, 21., 2012, Uberlândia. Anais... Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2012.

MOVIMENTOS DOS PESCADORES E PESCADORAS ARTESANAIS (MPP). Campanha Nacional pela Regularização do Território das Comunidades Tradicionais Pesqueiras. Folder de Divulgação. [S. l.]: MPP, 2012.

______. Carta do MPP – Repúdio à Privatização das águas públicas dos mares e águas doces. [S. l.]: MPP, 2013.

______. Cartilha - Projeto de Lei de Iniciativa Popular Sobre o Território Pesqueiro. [S. l.]: MPP, 2014.

______. Pesca e pescadores artesanais no estado da Bahia. Oficina. Salvador, 2015.

PACHECO, Maria. J, H. Conflitos no Campo – Brasil 2013. CPT Nacional - Brasil 2013.

RAMALHO, Cristiano Wellington N. Ah, esse povo do mar!: um estudo sobre trabalho e pertencimento na pesca artesanal pernambucana. São Paulo: Polis; Campinas: Ceres, 2006.

______. O mundo das águas e seus laços de pertencimento. In: Raízes, Campina Grande, v. 23, n. 1-2, p. 62-72, jan./dez., 2004.

SANTOS. M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SOARES; Lucy S. H et al. Pesca e Produção Pesqueira. In: HATJE, Vanessa; ANDRADE, Jailson B. de. (Org.). Baía de Todos os Santos: aspectos oceanográficos. Salvador: EDUFBA, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2016.n237.pp.%20347-364

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais