OS POVOS INDÍGENAS NA AMÉRICA DO SUL: ENTRE A IIRSA E O BUEN VIVIR

Bruna Muriel

Resumo


A luta dos povos indígenas em defesa dos seus modos de vida e territórios tem estado cada vez mais articulada internacionalmente. Na América do Sul, organizações indígenas têm-se organizado regionalmente, como forma de resistir aos impactos ambientais e sociais dos megaempreendimentos ligados à Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana/IIRSA, que está relacionada à produção e ao escoamento de commodities pelo Pacífico em virtude da alta demanda asiática. O objetivo desta pesquisa, em andamento, é averiguar em que medida o novo conceito filosófico e projeto político-civilizatório do Buen Vivir – que ganhou visibilidade com as mobilizações sociais encabeçadas pelos movimentos indígenas equatorianos e bolivianos no início desse século - vem sendo incorporado à retórica e à luta dessas organizações, no contexto IIRSA. Espera-se contribuir para o debate crítico sobre o modelo de desenvolvimento intrínseco às políticas nacionais e aos projetos de integração regional, assim como para a construção de uma agenda política para a integração sul-americana mais afinada com as demandas dos povos indígenas e com a proteção da natureza.


Palavras-chave


Povos Indígenas. IIRSA, Buen Vivir. Integração Sul-Americana

Texto completo:

PDF/A

Referências


ACOSTA, A. El Buen Vivir: Sumak kawsay, una oportunidad para pensar otros mundos. Barcelona: Icária, 2012.

BOBBIO, N. Direita e Esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: UNESP, 1995.

BOLÍVIA. Constituição (2009). Constituição Política do Estado Plurinacional da Bolívia, de 7 de fevereiro de 2009.

______. Decreto Lei nº 300 de 15 de outubro de 2012. Estabelece a Lei Marco da Mãe Terra e do Desenvolvimento Integral para o VivirBién. Diário Oficial da Bolívia, La Paz, 15 out. 2012. Edição 0431, p.1. Disponível em: . Acesso em 22 dez. 2013.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Colombia: SiglodelHombre Editores, 2007. p 9-25.

CASANOVA, Pablo González. Colonialismo interno (una redefinición). Revista Rebeldía, México, n. 12, p. 41-59,out. 2003.

CEPAL. Panorama Social de América Latina. Santiago do Chile, CEPAL: 2014. Disponível em: . Acesso em 02 set. 2015.

CHESNAIS, F. A Mundialização Financeira. São Paulo: Xamã, 1996.

COICA. Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica. COICA versus IIRSA, COICA: 2009.

DESCOLA, P. Construyendo naturalezas. Ecología simbólica y práctica social. In: DESCOLA, P. y PÁLSSON, G. (orgs.). Naturaleza y sociedad. Perspectivas antropológicas. México: Siglo XXI, 2001. p. 101-123.

______. La Selva Culta: Simbologia y Práxis en la ecologia de los Achuar. Quito: Abya Ayala, 1996.

ACKSIC FERAUDY, Fabián II; TAPIA MEALLA, Luis. Bolivia: Modernizaciones empobrecedoras desde su fundación a la desrevolución. Muela del Diablo: La Paz. 1997.

FURTADO, C. O Mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GUDYNAS, E. Diez tesis urgentes sobre el nuevo extractivismo: Contextos y demandas bajo el progresismo sudamericano actual. In: SCHULDT, J. et al. Extractivismo, Política y Sociedad. Quito: CAAP/CLAES, 2009. p. 187-225.

LINERA, A. G. Estado Plurinacional: Una propuesta democrática y pluralista para la extinción de la exclusión de las naciones indígenas. In: LINERA, A. G.; TAPIA, L; PRADA, R. La transformación pluralista del Estado. La Paz: Muela del Diablo Editores, 2007. p. 19-88.

LUCIANO, B. T.; BRESSAN, R. N. A Comunidade Andina no Século XXI: entre bolivarianos e a Aliança do Pacífico. 38° Encontro Anual da ANPOCS. Minas Gerais, 2014. Disponível em: Acesso em: 20 de fevereiro de 2016.

MORIN. E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1992.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO/ Colección Sur Sur, 2000. p. 227-278.

______. WALLERSTEIN, I. Americanity as a Concept or the Americas in the Modern World-System. International Journal of Social Sciences. n.134, p. 617-627, abr. 1992.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (orgs.). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 455-491.

______. Introdução. In: SANTOS, B. S. (org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: ______. (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004. p. 23-56.

PATZI, Félix. Etnofagia estatal. Modernas formas de violencia simbólica (análisis de la reforma educativa en Bolivia).La Paz: Ministerio de Educación y Culturas, 2006.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter e QUENTAL, Pedro de Araújo. Colonialidade do poder e os desafios da integração regional na América Latina. Polis [Online]. Santiago, n. 31, s/p, dez. 2012.

PNUD. Informe sobre o Desenvolvimento Humano. Nova York: PNUD: 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 dez 2013.

URQUIDI, Vivian. O Movimento Cocaleiro na Bolivia. São Paulo: Hucitec, 2007.

VITALE, D. Democracia global e movimentos indígenas na cooperação sul-americana: um olhar para as comunidades amazônicas. In: VITALE, D.; KRAYCHETE, E. S. (orgs). O Brasil e a Cooperação Sul-Sul: dilemas e desafios da América do Sul. Salvador: Edufba.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Perspectivismo e Multinaturalismo na América Indígena. In: ______. A inconstância da Alma Selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac &Naif, 2002. p. 345 - 401.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2017.n241.p327-341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais