BRICS: UM BALANÇO CRÍTICO

Ana Saggioro Garcia

Resumo


Surgido a partir de conferências internacionais no início deste século, os BRICS ganharam importância política e econômica após a crise mundial de 2008, quando passaram a ser vistos como um polo alternativo a hegemonia dos EUA e da Europa. Neste artigo, todavia se questiona o suposto papel contra hegemônico dos BRICS. Em termos políticos, sua agenda não vem sendo de confrontação, mas sim a de reivindicar “um lugar à mesa” junto às potências ocidentais. Enfim, buscam um lugar apropriado à sua dimensão econômica nas instâncias de concerto global. De todo modo, iniciativas como a de criação do Novo Banco de Desenvolvimento e uma política de cooperação internacional diferenciada representam pontos de disputa entre os BRICS e os polos de poder tradicionais. Mas isso está longe de significar uma real alternativa para uma ordem mundial mais justa. Além disso, entre os países membros existem não só convergências. As próprias relações entre os BRICS e deles com outros países do Sul global se inserem num quadro mais amplo de acumulação capitalista e respondem a uma lógica de disputa por recursos naturais, acesso a mercados e mão-de-obra barata.  Por isso mesmo, um desafio central continua sendo a articulação de lutas sociais desde baixo:  camponeses e trabalhadores/as que enfrentam e resistem em seus territórios a grandes  projetos conduzidos por corporações dos países BRICS e suas instituições financeiras.


Palavras-chave


Relações internacionais. Geopolítica. Hegemonia mundial.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BEGHIN, Nathalie. “O Novo Banco de Desenvolvimento: o tiro que saiu pela culatra?” Carta Capital, 17 de outubro de 2016.

BESHARATI, Neissan e ESTEVES, Paulo. “Os BRICS, a Cooperação Sul-Sul e o Campo da Cooperação para o Desenvolvimento Internacional”. Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 37, n.1, jan./abr., 2015.

BOND, Patrick e GARCIA, Ana. Introduction, in BOND e GARCIA (Eds.). BRICS, an anti-capitalist critique. Johannesburg: Jacana Media, 2015.

BRICS Business Council. Facing challenges, building confidenc”. Second Annual Report 2015-2016. Disponível em http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2015/07/09/9148/BRICSRelatrioAnual.pdf

BRICS Business Council. 2013/2014 Annual Report. Disponível em http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2014/07/15/6862/BRICSBusinessCouncilAnnualReportDRAFT6-11JulySignature.pdf

CENTER for Financial Accountability. The new development banks: why AIIB and NDB should be monitored. Briefing Paper, October 2016. Disponível em https://peoplesbrics.org/2016/10/07/the-new-development-banks-why-aiib-and-ndb-should-be-monitored/

CHIN, Gregory: The emerging countries and China in the G20: reshaping global economic governance. Studia Diplomatica. v. LXIII, n. 2-3, 2010.

COX, Robert. Social forces, states and world orders. Beyond international relations theory. Millenium, 1981; 10; 126.

COX, Robert. Production, power and world order. Social forces in the making of history. New York: Colombia University Press, 1987.

ESTEVES, Paulo, ZOCCAL, Geovana e TORRES, Gabriel. “Juntando a China com a vontade de comer: bancos de desenvolvimento e políticas de salvaguardas socioambientais”. Pontes. v. 12, n. 9, 2016.

FERNANDES, Luis; Garcia, Ana e Cruz, Paula. “Desenvolvimento desigual na era do conhecimento: a participação dos BRICS na produção científica e tecnológica mundial”. Contexto Internacional. v. 37, n. 1, jan.-jun./2015

GARCIA, Ana; KATO, Karina; FONTES, Camila. A história contada pela caça ou pelo caçador? Perspectivas do Brasil em Angola e Moçambique. Rio de Janeiro: Instituto PACS, 2013.

GARCIA, Ana; KATO, Karina. “Políticas públicas e interesses privados: uma análise a partir do Corredor de Nacala em Moçambique”. Cadernos CRH. Salvador, v. 29, n. 76, abril. 2016.

GARCIA, Ana; BITTENCOURT, Yasmin; DIAS, Bárbara. BRICS na África: mais do mesmo? Um estudo comparativo dos acordos de proteção de investimentos dos BRICS com países africanos . Rio de Janeiro: Instituto PACS, 2016. Disponível em www.pacs.org.br/files/2016/11/Publicao-Africa-BRICS-PT_BR.pdf

GRAMSCI. Selections from the Prison’s Notebooks. Edited and translated by Quintin Hoare and Geoffrey Nowell Smith. New York: International Publishers, 2008 (1971).

HERNANDEZ ZUBIZARRETA, J. Las empresas transnacionales frente a los derechos humanos. Historia de una asimetria normativa. Hegoa y OMAL. Bilbao, 2009.

KIELY, Ray. The BRICS, U.S. ‘decline’ and Global Transformations. New York: Palgrave Macmillan, 2015.

LOPES, Bárbara; NASCIMENTO, Daniele e VADELL, Javier. “FOCAC: estratégia econômica e política de cooperação Sul-Sul Sino-Africana”. Carta Internacional. Vol. 8, n. 2, jul.-dez. 2013.

PATRICK, Stewart: "Irresponsable stakeholders? The difficulty of integrating rising powers". Foreign Affairs, November/December, 2010, p. 44-53.

PINTO, João Roberto Lopes. “BNDES tem discurso verde e prática cinza” (entrevista). Revista IHU on-line, 28 de outubro de 2011.

PRASHAD, Vijay. “Neoliberalism with Southern Characteristics. The rise of the BRICS”. Rosa Luxemburg Foudation – New York Office. May, 2013.

TOUSSAINT, Eric. “Debt and the international context in the South and in the North from 2000 to 2014”. Nov. 21, 2014. Disponível em http://www.cadtm.org/Debt-and-the-international-context

UNCTAD. World Investment Report 2016. Investor nationality: policy challenges. Key messages and overview. Disponível em http://unctad.org/en/PublicationsLibrary/wir2016_Overview_en.pdf

WAISBICH, Laura. “Diverse voices: civil society at the 8th BRICS Summit”. Dec. 9, 2016, in http://sxpolitics.org/diverse-voices-a-brief-account-on-the-civil-society-spaces-at-the-margins-of-the-8th-brics-summit-in-india/16206.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2017.n241.p374-391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais