O CUIDADOR EM SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT) NO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BA

Lúcio Silva Sande, Barbara Pompeu Christovam

Resumo


O Serviço Residencial Terapêutico é um instrumento imprescindível de direitos humanos no processo de desinstitucionalização psiquiátrica e retorno do individuo com transtorno mental ao meio social, para existir como ser de direitos e deveres. A casa se torna o núcleo das relações interpessoais e o ponto de partida ao início de vidas que foram tombadas por um modelo hegemônico e opressor. Um indivíduo em sofrimento psíquico não pode ter a sua vida pré-estabelecida por conta do preconceito e intolerância. A rotina de um lar, a ida à feira, a união dos moradores para fazer um bolo de aniversário, entre outras ações, torna-se um exercício de cidadania ativa. O objetivo do estudo é conhecer como transcorre o processo do cuidar pelo Profissional cuidador em Serviço Residencial Terapêutico no município de Salvador-BA. Trata-se de uma pesquisa descritiva qualitativa com abordagem etnográfica. Os atores dessa pesquisa são seis profissionais cuidadores de uma Residência Terapêutica no município de Salvador-BA. Os dados foram obtidos através de observação direta e sistemática por meio do diário de campo, roteiro de entrevista semi-estruturada com gravações das entrevistas através do uso gravador direcionados aos profissionais envolvidos no processo do cuidar. Através desse estudo, fica claro e evidente que o cuidador é o principal ator que faz a ligação do morador ao meio extra-residência. Todo esse trabalho gera o fruto da ressocialização, fazendo do paciente, estigmatizado como louco, ameaçador, um morador comum, que pode fazer o que bem entender, sempre com supervisão e apoio profissional adequado.


Palavras-chave


Saúde Mental. Serviço de Saúde Mental. Cuidadores.

Texto completo:

PDF/A

Referências


SILVEIRA, MFA; SANTOS JUNIOR, HPOS. Práticas de cuidados produzidas no serviço de residências terapêuticas: percorrendo os trilhos de retorno à sociedade. [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2011. 320 p. ISBN 978- 85-7879-063-9. SciELO Books. [Acesso em: 20 de Ago 2016] Disponível em: http://static.scielo.org/scielobooks/pgwpg/pdf/silveira-9788578791230.pdf

BACHELAR, G. A poética do habitat. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

MELO, W; FERREIRA, A. P. (2013, dezembro). Clínica, pesquisa e ensino: Nise da Silveira e as mutações na Psiquiatria Brasileira. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 16(4), 555-569. [Acesso em: 27 de Ago 2016] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlpf/v16n4/05.pdf

MINISTÉRIO DA SAÚDE, BRASIL. Lei de n. 10.216, de 06 abr. 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília (DF), 9 abr. 2001a. [Acesso em: 30 de Ago 2016] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10216.htm

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Diário do Congresso Nacional Secção I. Projeto de Lei nº 3.667, de 29 de setembro de 1989 (Do Sr. Paulo Delgado) – Dispõe sobre a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição por outros recursos assistenciais e regulamenta a internação psiquiátrica compulsória. [Acesso em: 30 de Ago 2016] Disponível em: http://imagem.camara.gov.br/Imagem/d/pdf/DCD29SET1989.pdf#page=30

MINISTÉRIO DA SAÚDE, BRASIL. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília: OPAS/Ministério da Saúde, 2005.

FASSHEBER, VB; VIDAL, CEL. Da tutela à Autonomia: Narrativas e Construções do Cotidiano em uma Residência Terapêutica. Revista Psicologia, Ciência e Profissão, 2007, 27 (2), 194-207. [Acesso em 20 de Set de 2016] Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2820/282021756003.pdf

MINAYO, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde./Maria Cecília Souza Minayo. -12. Ed. –SP: Hucitec, 2010.407 p.;21

MINISTÉRIO DA SAÚDE, BRASIL. Saúde Mental em Dados – 12, ano 10, nº 12. Informativo eletrônico. Brasília: Outubro de 2015. [Acesso em 04 de Ago de 2016]. Disponível em: http://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf

CARVALHO, JD; LINS, CBA. (2015, junho). Um Hospital Geral e suas concepções de loucura. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 18(2), 383-393.

AREJANO, CB; PADILHA, MICS; ALBUQUERQUE, GL. Reforma Psiquiátrica: uma analítica das relações de poder nos serviços de atenção à saúde mental. Rev. Bras. Enferm., v. 5, n. 56, p. 549-54, 2003. [Acesso em 10 de Set de 2016] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v56n5/a16v56n5.pdf

PALOMBINI, AL; BARBOZA, RP; FICK, TK; BIMKOWSKI, G. Cuidando do cuidador: da demanda de escuta a uma escrita de si. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 13, n.2, p. 253-264, jun. 2010. [Acesso em 13 de Set de 2016] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlpf/v13n2/07.pdf

MINISTÉRIO DA SAÚDE, BRASIL. Residências Terapêuticas: o que são, para que servem? Brasília: Ministério da Saúde, 2004b. [Acesso em 27 de Ago de 2016] Disponível em: http://www.maringa.pr.gov.br/cisam/residencia_terepeutica.pdf

BRASIL. Portaria nº 3.090, de 23 de Dezembro de 2011. Dispõe sobre o repasse de recursos de incentivo de custeio e custeio para implementação dos Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT). Ministério da Saúde – Gabinete do Ministro. [Acesso em 30 de Ago de 2016] Disponível em: http://www.saude.campinas.sp.gov.br/saude/lista_legislacoes/legis_2012/U_PT-MS-GM-3090-REP_231211.pdf

BRONDANI; CM; BEUTER, M; ALVIM, NAT; SZARESKI, C; ROCHA, LS. Cuidadores e estratégias no cuidado ao doente na internação domiciliar. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 2010 Jul-Set; 19(3): 504-10. [Acesso em 10 de Out de 2017] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n3/a12v19n3

SILVEIRA, MFA; SANTOS JUNIOR, HPO. Que eles falem por si: relatos dos profissionais sobre a experiência nas residências terapêuticas. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 16 (4): 2089-2098, 2011. [Acesso em 10 de Set de 2016] Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/630/63018472008.pdf

FURTADO, JP. Avaliação da situação atual dos Serviços de Residenciais Terapêuticas no SUS. Revista Ciênc Saúde Coletiva. 2006.[Acesso em 29 de Out de 2016] Disponível em: http://ww.scielo.br/pdf/csc/v11n3/30993.pdf

BRANDÃO, L. A casa subjetiva. São Paulo: Edição Perspectiva, 2002, 176p.

PITTA, AMF; COUTINHO, DM; ROCHA, CCM. Direitos humanos nos Centros de Atenção Psicossocial do Nordeste do Brasil: um estudo avaliativo, tendo como referência o QualityRights – WHO. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, V.39, N.106, P. 760-771.2015. [Acesso em 10 de Out de 2016] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n106/0103-1104-sdeb-39-106-00760.pdf

LIVIERES, CF; SILVA ALA. O projeto moradia assistida do centro de atenção psicossocial: de uma questão clínica a outra. Revista Escola de Enfermagem USP, 2006; 40(2): 188-95. [Acesso em 7 de Out de 2016] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v40n2/05.pdf

PITTA, AMF. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.12, p. 4579-4589.2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). WHO QualityRights tool kit to assess and improve quality and human rights in mental health and social care facilites.Geneva:WHO,2012.[Acesso em 29 de Out de 2016] Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/70927/3/9789241548410_eng.pdf

OLIVEIRA, W; PITTA, A; AMARANTE, P. Direitos Humanos e Saúde Mental. Capítulo 4: 107-133. Editora Hucitec, São Paulo, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2019.n246.p54-68

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.