ABERTURA, MANUTENÇÃO E FECHAMENTO DA CASA DE SAÚDE SANTA TERESA: TRAJETÓRIA MANICOMIAL DO CARIRI CEARENSE

Leda Mendes Gimbo, Magda Dimenstein, Jader Leite

Resumo


A história da loucura no Brasil é indissociável da história dos hospitais psiquiátricos, uma vez que a organização das cidades e sua higiene, pautadas nos moldes franceses do século XIX, dependiam dessas instituições para a manutenção da ordem social. A região do Cariri cearense contou com a existência de um hospital psiquiátrico (Casa de Saúde Santa Teresa) que funcionou a partir da década de 1970. Sua inauguração não foi uma aleatoriedade, mas fruto de formações discursivas específicas e relações de saber e poder que constituíram o alicerce para que o hospital abrisse suas portas na região, bem como para se manter em funcionamento até os dias atuais. A Casa de Saúde Santa Teresa foi uma instituição privada, credenciada inicialmente ao Instituto Nacional de Previdência Social e posteriormente ao SUS, recebendo financiamento público. Sua localização geográfica favoreceu o atendimento às pessoas da região do sul do Ceará, mas também do interior dos estados de Pernambuco, Paraíba e Piauí. Até fechar contou com 200 leitos cadastrados ao SUS, atendeu em regime ambulatorial e de internamento para uma média de 400 pessoas/mês. Apesar do intenso fluxo de atendimentos e se tratar da única referência para atendimentos de urgência, emergência e para situações de crise, o hospital encerrou seus anos de funcionamento em fevereiro de 2016. Segundo dados da Casa de Saúde, não havia aumento no valor das Autorizações de Internação Hospitalar (AIHs) desde o ano de 2009, o que tornava inviável a manutenção e funcionamento do hospital. 


Palavras-chave


: Hospital psiquiátrico; Reforma Psiquiátrica; Saúde Mental.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

AMARANTE, P. Loucura, cultura e subjetividade: conceitos e estratégias, percursos e atores da reforma psiquiátrica brasileira. In: Fleury, Sonia (Org.). Saúde e democracia: a luta do Cebes. São Paulo: Lemos Editorial, 1997.

AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

BASAGLIA, F. A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BRASIL. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. OPAS. Brasília, 2005.

BRASIL. Pnash psiquiatria e programa de reestruturação da assistência. Ministério da Saúde, Brasília, 2011.

BRASIL. Saúde mental em Dados - 10. Ano VII, nº 10. Informativo Eletrônico. Brasília. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde/DAPE, 2012. Disponível em

COSTA-ROSA, A. O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In: P. Amarante (Org.), Ensaios, subjetividade e saúde mental. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000, p.141-168.

CUNHA, C. de M. S. A fundação da Casa de Saúde Santa Teresa em Crato-CE (1970): história local, médicos e políticas públicas para a área psiquiátrica/ Cecilia de Menezes Sobreira Cunha – Rio de Janeiro: s.n, 2013.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Moderna, 2002.

FOUCAULT, M. O poder psiquiátrico: curso dado no Collège de France. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ODA, A. M. G. R., DALGALARRONDO, P. História das primeiras instituições para alienados no Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 2005, v. 12, n. 3, p. 983-1010.

PELBART, P. P. Vida e morte em contexto de exclusão biopolítica, 2002. Acesso em 22 de Março, 2017, em

http://www.iea.usp.br/iea/textos/pelbartdominacaobiopolitica.pdf

ROTELLI, F., LEONARDI, O., & Mauri, D. Desinstitucionalização, uma outra via. In: Rotelli, F., Leonardis, O., & Mauri, D. (org). Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 2001, p. 17-59.

OLIVEIRA, C. C. de. et al. Loucura em liberdade: vivências e convivências em Crato-CE (1930-1970). Rev. bras. enferm. 2003, vol.56, no.2, p.138-142.

VASCONCELOS, E. M. Abordagens psicossociais.V. 2: Reforma psiquiátrica e saúde mental na ótica da cultura e das lutas populares. São Paulo: Hucitec, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2019.n246.p28-53

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.