O “OVO DA SERPENTE”: ARCABOUÇO DE EXCEPCIONALIDADES PARA A COPA DE 2014 COMO REGRA DO FUNCIONAMENTO DO ESTADO BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO

Any Brito Leal Ivo

Resumo


Este artigo apresenta parte da monografia desenvolvida como trabalho de conclusão do curso de direito, que avança na conceituação no âmbito da técnica jurídica da ideia de Estado Excessivo, modelo de estadoproposto na tese de doutorado dessa autora, defendida no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia, no ano de 2013. Analisa, do ponto de vista jurídico, as mudanças significativas no desenho d estado contemporâneo brasileiro, expressas por constrangimentos a direitos consolidados e abrigados como direitos fundamentais, num contexto de vigência formal do Estado Democrático de Direito, configurando um descolamento entre discurso e práxis, num momento de inflexão política que, por fim, esgarça o regime democrático e os direitos para democracia. Consiste no entendimento de que o processo de “excepcionalização” do legal, inaugurado na preparação do país para os megaeventos, torna-se “regra”. Avança na análise crítica do papel do aparelho de justiça nesse processo de relativização do corpo legal vigente, denunciando novos arranjos entre o executivo, o legislativo e o judiciário, coniventes com a criação de privilégios regulamentados a serviço do grande capital. Evidencia a relação de libertinagem entre o Estado, o Direito e o Mercado, que, gradativamente, usurpam conquistas históricas democráticas e democratizantes.


Palavras-chave


Estado; Excepcionalidade; Direito.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulações. Lisboa: Relógio D´água, 1991.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Copa 2014 – desafios e responsabilidades. 2009.

__________. Copa 2014: o desafio a ser vencido. 2011.

__________. Projeto de Lei 440/04.

__________. PEC 287/2016. EMENDA CONSTITUCIONAL

__________. Projeto de Lei 79/2017.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil – o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

CASARA, Rubens R. R. Estado Pós-Democrático: Neo-obscurantismo e gestão dos indesejáveis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

FLEURY, Sônia. Estado sem cidadãos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1994.

HARVEY, David. Wall Street e o direito à cidade. Le Monde Diplomatique, Brasil, Ano 2, n. 20, mar. 2009.

IVO, Anete Brito Leal. Metamorfoses da questão democrática: governabilidade e pobreza. Buenos Aires: CLACSO/ASDI, 2001.

IVO, Any Brito Leal. Para além dos jogos de futebol – o processo de reestruturação das cidades para a Copa de 2014 e a “marca Brasil”. Salvador: EDUFBA, 2015.

KEANE, John. Vida e Morte da Democracia. São Paulo: Edições 70, 2010.

MIGUEL, Luis Felipe. A democracia na encruzilhada. In: JINKINGS, Ivana; DORIA, Kim; CLETO, Murilo (org.). Por que gritamos que é golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL. Decreto nº 5.452/1943 (Consolidação das Leis do Trabalho), de 1 de maio de 1943.

______. Lei nº 8.429 (Lei de Licitações), 21 de junho de 1992.

______. Lei nº 7.783/1989, 28 de julho de 1989.

______. Lei nº 8.666/1993 (Lei de Licitações), 21 de junho de 1993.

______. Medida Provisória nº 496, de 19 de julho de 2010.

______. Lei Complementar nº 101/100. De 04 de maio de 2000.

______. Medida Provisória nº 497, de 27 de julho de 2010.

______. Medida Provisória nº 527, de 08 de março de 2011.

______. Medida Provisória nº 540, de 02 de agosto de 2011

______. Lei nº 12.525/2010, de 20 de dezembro de 2010.

______. Lei nº 12.462/2011 (Lei Geral Da Copa), de 04 de agosto de 2011.

______. Decreto nº 7.578, de 11 de outubro de 2011.

______. Lei nº 12.520/2011, de 18 de novembro de 2011.

______. Lei nº 12.663/2012, de 05 de junho de 2012.

______. Lei nº 12.745/2012 de 19 de dezembro de 2012.

______. Decreto nº 7.783, de 07 de agosto de 2012.

______. Lei nº 12.850/2013, de 02 de agosto de 2013.

______. Lei nº 13.190/2015, de 19 de novembro de 2015.

______. Lei nº 13.260/2016, de 16 de março de 2016.

______. Uma Ponte para o Futuro.

RANCINIE, Jacques. Ainda se pode falar de democracia? Lisboa: YMAGO Ensaios Breves, 2011.

SENADO. Projeto de Lei nº 728, 21 de junho de 1992.

_______. Projeto de Lei nº 2016-F. 21 de junho de 1992

_______. Projeto de Lei nº 385/2016.

______. Projeto de Lei nº 55/2016.

WACQUANT, Loïc. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Zahar, 2001, p. 28-29

______. Três etapas para uma antropologia histórica do neoliberalismo realmente existente. CADERNO CRH, Salvador, v. 25, n. 66, p. 505-518, Set./Dez. 2012.

______.Three steps to a historical anthropology of actually existing neoliberalism. Social Anthropology [Debate Section] v. 20, n. 1, p. 66-79, feb. 2012.

VALIM, Rafael. Estado de Exceção: A forma jurídica do neoliberalismo. São Paulo: Editora Contracorrente, 2017.

WEBER, Max. Economia e sociedade – Volume I. Brasília: UNB, [1913] 2009.

YAROCHEWSKY, Leonardo Isaac. Tchau, querida democracia. Belo Horizonte: Casa do Direito, Letramento, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2017.n242.p672-687

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais