BALANÇO DE UM ANO DA CONTRARREFORMA TRABALHISTA NO BRASIL: 2017-2018

José Dari Krein, Denis Maracci, Paula Freitas de Almeida

Resumo


O Brasil passou por uma estrutural reforma trabalhista, por meio das Leis n. 13.429 e 13.467, de 2017. O país sofreu alteração substancial no seu modo de regular as relações de trabalho, seguindo a justificativa governamental para afastar formas anacrônicas de regulação que atravancavam o dinamismo do mercado de trabalho. Era preciso modificar o marco legal para se voltar a ter geração de emprego no país. O propósito, aqui, foi identificar quais os reais efeitos da reforma trabalhista sobre a vida daqueles que trabalham, chegando-se à conclusão de que a promessa não foi cumprida e, ainda, parece aprofundar a desestruturação do mercado quanto aos aspectos pesquisados. Analisa-se, aqui, o comportamento do mercado de trabalho nos meses que se seguem à vigência da reforma trabalhista, considerando os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio Contínua (PNADC). A análise será, especialmente, sobre a incidência e as características das novas modalidades de contratação, a trajetória da remuneração e da jornada de trabalho e os impactos nas políticas de seguridade social.


Palavras-chave


Mercado de Trabalho. Contrarreforma Trabalhista. Desestruturação do Mercado.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABÍLIO, L. C. Uberização do trabalho: subsunção real da viração. Blog da Boitempo, 2017. Disponível em: https://www.boitempoeditorial.com.br/ Acesso em: 20/08/2019

BALTAR, P. E. A.; SOUEN, J. A.; CALDAS, G. C. Emprego e Distribuição de Renda. In: CESIT. Texto para Discussão 298, Mai/2017. Disponível em: file:///Users/mac/Downloads/TD298.pdf, acesso em nov.18.

DEDECCA, C. S. Conceitos e estatísticas básicas sobre mercado de trabalho. Economia &Trabalho: textos básicos. Campinas: CESIT/IE/Unicamp, 1999.

GIBB, L. S. F. A Tendência de despadronização da jornada de trabalho. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico). Campinas, IE-UNICAMP, 2017.

Krein, José Dari et al. Las buenas prácticas que explican el avance de la formalización en brasil. In: SALAZAR-XIRINACHS, José Manuel; CHACALTANA, Juan. Políticas de Formalización en América Latina: Avances y Desafíos. Lima: OIT, Oficina Regional para América Latina y el Caribe, FORLAC, 2018. p. 367-391. Disponível em: https://bit.ly/2ROnwzw URANTE EL PERÍODO 2003-2014.

PEROSSI, M. A composição da remuneração do trabalhador nas grandes empresas. [s.n.]. Monografia (Especialização em Economia do Trabalho e Sindicalismo). Campinas, IE-UNICAMP, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2019.n248.p637-667

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais