AS FAMÍLIAS RURAIS NAS FEIRAS LIVRES: ESPAÇOS DE PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E CONSUMO

Ezequiel Redin, Bruna Saldanha Vogelei

Resumo


O trabalho objetiva analisar e compreender os motivos que conduzem as famílias rurais a comercializar seus produtos na feira livre, além de identificar o perfil socioeconômico das famílias feirantes, a produção e suas relações de comercialização e consumo em Santa Maria, RS. Para isso utilizou-se um roteiro semiestruturado que foi aplicado na feira da Tancredo Neves e na feira da Praça Roque Gonzales em Santa Maria, RS. A pesquisa revelou que os agricultores escolhem as feiras livres por constituir-se um canal flexível e pouco burocrático onde conseguem maior preço pelo produto ao comparado com os estabelecidos pelo mercado tradicional. As famílias rurais feirantes possuem uma renda residual relevante, dadas as restrições no tamanho da propriedade, sendo que a feira representa um complemento na renda familiar, demostrando a importância deste canal para a reprodução econômica da família e também para o desenvolvimento rural do município de Santa Maria, RS.


Palavras-chave


Agricultura familiar. Feiras livres. Construção social de mercados. Circuitos curtos. Pluriatividade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOVAY, R. Alimentos versus população: está ressurgindo o fantasma malthusiano? Ciência e Cultura.São Paulo, v. 62, n. 4, p. 38-42, 2010.

BALEM, T. A; SILVA, G. P.; SILVEIRA, C. R. P. O papel da alimentação social na construção de mercados para a agricultura familiar. In: GUIMARAES, G. M; BALEM, T. A.; SILVEIRA, P; R; C.; ZIMMERMANN, S. A. (Org.). O rural contemporâneo em debate: temas emergentes e novas institucionalidades. Ijuí: Unijuí, 2015. p. 235-251.

BARROS, A. J.; LEHFELD, N. A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

BELIK, W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.12, n. 1, p.12-20, jan./jun. 2003.

BRASIL. Lei n. 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Congresso Nacional, DF, 24 jul. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm. Acesso em: 09 abr. 2019.

BRASIL. Lei n. 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da Educação Básica no Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da Educação Básica [...]. Congresso Nacional, DF, 16 jun. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11947.htm. Acesso em: 28 abr. 2019.

BRASIL. Resolução. /CD/FNDE nº 38 de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da Educação Básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Ministério de Educação, DF, jul. 2009. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/index.php/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/3341-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-38-de-16-de-julho-de-2009. Acesso em: 28 abr. 2019.

BUAINAIN, A. M.; GARCIA, J. R.; VIEIRA J. P. A. O desafio alimentar no século XXI. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 24, n. 2, p. 497-522, 2016.

CENSO AGROPECUÁRIO. Censo agropecuário 2006: primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

CHEUNG, T. L. Desenvolvimento da agricultura familiar: investigação sobre o espaço rural e o território como referência para estudar o caso do município de Terenos, MS. Interações, Campo Grande, v. 14, n. 2, p. 189-195, jul.-dez. 2013.

CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL. CNA. PIB do agronegócio tem alta de 1,09% em 2016. 2016. Disponível em: http://sna.agr.br/pib-do-agronegocio-tem-alta-de-109-em-2016/. Acesso em: 10 abr. 2019.

CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. CEPEA. O CEPEA calcula o PIB do Agronegócio com apoio financeiro da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). 2016. Disponível em: http://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx. Acesso em: 10 abr. 2019.

CRUZ, F. T. da. Produtores, consumidores e a valorização de produtos tradicionais: um estudo sobre qualidade de alimentos a partir do caso do queijo serrano dos campos de cima da Serra/RS. 292 f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012b.

CRUZ, S. S. O fenômeno da pluriatividade no meio rural: atividade agrícola de base familiar. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n.110, p. 241-269, abr./jun. 2012a.

CRUZ, V. A. G. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Prentice Hall, 2009.

CRUZ, V. A. G. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Prentice Hall, 2013.

FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ. FAPEP. PIB do agronegócio tem alta de 1,09% em 2016. Disponível em: http://www.sistemafaep.org.br/pib-agronegocio-tem-alta-de-109-em-2016.html. Acesso em: 10 abr. 2019.

SILVA, G. P.; DEON, P. R. C. O protagonismo doa agricultores familiares na construção social de mercados - formas de organização e ação. In: GUIMARAES, G. M; BALEM, T. A; SILVEIRA, P. R. C.; ZIMMERMANN, S. A. (Org.). O rural contemporâneo em debate: temas emergentes e novas institucionalidades. Ijuí: Unijuí, 2015. p. 71-74.

FINATTO, R. A.; SALAMONI, G. Agricultura familiar e agroecologia: perfil da produção de base agroecológica do município de Pelotas/RS. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 20, n.2, p. 199-217, dez. 2008.

GRISA, C.; GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. A "produção invisível" na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria, Mérida, v. 16, n. 31, p. 65-79, jul. 2010.

GRISA, C; SCHNEIDER, S. “Plantar para o gasto” a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 46, n. 2, p.481-515, abr./jun. 2008.

KOHLS, V. K; ANJOS, F. S; CRIADO, E. A. Indicação geográfica como estratégia de qualificação vitivinícola pelas lentes evolucionarias e pela visão baseada em recursos. In: ANJOS, F. S; CALDAS, N. V. (Org.). Construção social da qualidade na produção agroalimentar. São Paulo: LiberArs, 2014. p. 75-96.

MALUF, R. S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004.

NIEDERLE, P. A.; FIALHO, M. A. V.; CONTERATO, M. A. A pesquisa sobre agricultura familiar no Brasil - aprendizagens, esquecimentos e novidades. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, p. 09-24, 2014.

NORA, F. D.; ZANINI, M. C. A feira como um espaço de sociabilidade. Revista Retratos de Assentamentos, v.18, n.1, p.135-154, 2015.

PLOEG, J. D. Mercados aninhados recém criados: uma introdução teórica. In: MARQUES, F. C; CONTERATO, M. A; SCHNEIDER. S. (Orgs). Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 21-52.

PORTAL BRASIL. Agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos por brasileiros. 2015. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/07/agricultura-familiar-produz-70-dos-alimentos-consumidos-por-brasileiro. Acesso em: 10 abr. 2019.

REDIN, E. Construção social de mercados: a produção orgânica nos assentamentos do Rio Grande do Sul, Brasil. Interações, Campo Grande, v. 16, n.1, p. 55-66, jan./jun. 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/151870122015104. Acesso em: 23 jul. 2019.

RODER, E. S. F.; SILVA, E. L. Agricultura familiar e as teses de doutorado no Brasil. Transinformação, v. 25, n. 2, p. 111-126, maio./ago. 2013.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51, p. 99-122, fev. 2003.

VEDANA, V. Fazer a feira: Estudo etnográfico das “artes de fazer” de feirantes e fregueses da Feira da Livre da Epatur no contexto da paisagem urbana de Porto Alegre. 2004 .251 f. (Dissertação de Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2004.

WANDERLEY, M. N. B. O agricultor familiar no Brasil: um ator social da construção do futuro. Revista Agriculturas (Impresso), v. Espec., p. 33-46, 2009.

WANDERLEY, M. N. B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, São Paulo, v. 52, supl. 1, p. 25-44, fev. 2014.

WEID, J. M. V. D. Um novo lugar para a agricultura. Revistas Agriculturas (Impresso), v. Espec., p. 47-65, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2020.n249.p111-136

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais