Potencialidades hídricas do Nordeste brasileiro

João Suassuna

Resumo


É muito provável que em breve a água passe a ser tão preciosa como o ouro e o petróleo. No Nordeste brasileiro esse colapso é bastante previsível por conta do tratamento inadequado dos volumes hídricos existentes, das secas sucessivas e da falta de planejamento dos órgãos públicos. Outro ponto polêmico diz respeito ao uso das águas do rio São Francisco para o abastecimento das populações do Semi-árido. Sobre isso, o Autor faz uma minuciosa análise, demonstrando a inviabilidade de usar tais águas pra gerar energia, irrigar e abastecer cidades. Esse artigo não pretende solucionar os problemas existentes mas esclarecer alguns aspectos do assunto, propondo alternativas importantes, a exemplo do abastecimento com caminhões-pipa, navios, trens etc. e a identificação de fontes hídricas que evitem o caos social.


Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, João Paulo M de. “Transposição – Tocantins para o São Francisco”. Comunicação CHESF, 84. Recife, Companhia Hidro-Elétrica do São Francisco (CHESF), fev., 2000. (mimeo)

Andrade, Gilberto Osório de e Lins, Rachel Caldas. “Os climas do Nordeste”. In As regiões naturais do Nordeste, o meio e a civilização. Recife, Conselho de Desenvolvimento de Pernambuco (Condepe), 1971, p. 95-138.

Botelho, Caio Lóssio Botelho. Seca: visão dinâmica, integrada e correlações. Fortaleza, ABC Fortaleza, 2000.

BRASIL. MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL (MIN). Projeto São Francisco. Relatório síntese. Brasília, abr., 2001.

BRASIL. MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIAS (MME), Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica (DNAEE)/Divisão de Controle

de Recursos Hídricos (DCRH). Transposição das águas do São Francisco e Tocantins para o Semi-árido nordestino. Avaliação preliminar. Brasília, nov., 1983.

Carvalho, José Otamar. Plano integrado para o combate preventivo aos efeitos das secas no Nordeste. Brasília, Ministério do Interior (Minter), 1973.

_______. A economia política do Nordeste (seca, irrigação e desenvolvimento). Rio de Janeiro, Campus; Brasília, Associação Brasileira de Irrigação e Drenagem (ABID), 1988.

Crook, J. et al. Guidelines for water reuse. Cambridge, Camp Dresser & Inc., 1992.

Duque, José Guimarães. Solo e água no Polígono das Secas. Mossoró, Ministério da Viação e Obras Públicas, 1980.

Pereira, P. N. S. Transposição de águas do rio Grande para o rio São Francisco com gravidade a favor. Informações e comentários. S.l., s.d. (mimeo)

Pessoa, Dirceu Murilo e Galindo, O. Transposição do rio São Francisco: a dimensão socioeconômica. Recife, Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)/Massangana, 1989.

Rebouças, A. da C. Panorama da degradação do ar, da água doce e da terra no Brasil. Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), 1997.

________. “Água na região Nordeste: desperdício e escassez”. Estudos Avançados, 11 (29). São Paulo, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), 1997a.

SÃO PAULO. SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS. Quadro de Disponibilidade Hídrica. São Paulo, 2000.

Souza Silva, A. de; Porto, E. R.; Lima, L. T. de e Gomes, P. C. F. Cisternas rurais: dimensionamento, construção e manejo. Circular Técnica n° 12. Petrolina, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)/Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semi-Árido (CPATSA), set., 1984.

__________.; Porto, E. R. e Soares, J. M. “Tecnologias para o desenvolvimento de propriedades agrícolas do Trópico Semi-árido”. In Pequenos Agricultores V: Métodos de execução de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária (SIP). Série Documentos n° 66. Petrolina, EMBRAPA/CPATSA, 1990.

Suassuna, João. Transposição do rio São Francisco na perspectiva do Brasil real. Recife, Fundaj, 2002.

________ e Audry, Pierre. Estudo da salinidade das águas de irrigação das propriedades do GAT e da sua evolução sazonal durante os anos de 1988 e 1989. Catálogo das observações de campo e dos resultados das análises. Brasília, CNPq/Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)/ Programa de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PDCT-NE); Recife, Fundaj, set., 1992, p. 318.

________ e _____. “Estudo da salinidade das águas utilizadas em pequena irrigação no Nordeste e da sua evolução sazonal durante os anos de 1988 e 1989”. In Anais do Iº Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste. Brasília, CNPq/Orstom; Recife, Fundaj, nov., 1992a, p. 303-305.

________ e _____. “Estatística de salinidade das águas de irrigação do Nordeste Semi-árido brasileiro”. In Anais da 45ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Brasília, Orstom; Recife, Fundaj, jul., 1993, p. 53.

________ e _____. A salinidade das águas disponíveis para a pequena irrigação no sertão nordestino. Brasília, CNPq, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2005.n217.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais