UM BREVE PENSAR SOBRE O RACISMO NO BRASIL

Jeremias Pereira Pinto, Julie Lourau

Resumo


O texto faz uma discussão sobre a formação da população brasileira como fruto do encontro de diferentes grupos étnicos, dos povos nativos, dos europeus, dos africanos e dos imigrantes (europeus e asiáticos), pensando num país formado por matrizes culturais, diversas e distintas, ricas e complexas. Outro ponto abordado será como se organizou o ordenamento jurídico brasileiro, quais os propósitos que o conformou de tal modo a colocar as populações negra e indígena numa condição de seres humanos inferiores. É feita uma discussão sobre o processo de resistência, dando ênfase ao século XX, que se contrapõe ao pensamento racista, à ideia de que vivíamos numa democracia racial, assim como os movimentos que surgiram em contraponto à condição a que foram submetidos os negros. Por fim, serão apresentadas as ações efetivas para reparar as injustiças praticadas contra o povo, denominadas ações afirmativas, a exemplo da Lei 10.639/2003 e do Estatuto da Igualdade Racial/2010, que busca, de modo efetivo, resgatar a história da cultura afro no Brasil, garantindo-lhe os direitos, negados durante mais de quatro séculos.


Palavras-chave


Racismo. Políticas Públicas. Igualdade Racial. Diversidade. Negros.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República. Brasília: Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 06 de nov. 2018.

BRASIL. Lei nº 1.390, de 3 de julho de 1951. Lei Afonso Arinos. Inclui entre as contravenções penais a prática de atos resultantes de preconceitos de raça ou de côr. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/128801/lei-afonso-arinos-lei-1390-51. Acesso em: 06 de nov. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm. Acesso em: 06 de nov. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Brasília: Casa Civil, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm. Acesso em: 01 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. Institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Brasília: Casa Civil, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12519.htm. Acesso em: 06 de nov. 2018.

BRASIL. Orientações e Ações para Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECAD, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/orientacoes_etnicoraciais.pdf. Acesso em: 02 nov. 2018.

BRASIL. Parecer das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC/CNE, 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_003.pdf . Acesso em 02 nov. 2018.

FREYRE, Gilberto. Casagrande & senzala. 42. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pretos ou pardos estão mais escolarizados, mas desigualdade em relação aos brancos permanece. Agência de Notícias, 13 nov. 2019. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25989-pretos-ou-pardos-estao-mais-escolarizados-mas-desigualdade-em-relacao-aos-brancos-permanece. Acesso em: 10 dez. 2019.

LEITE, Patrícia Soares. O Brasil e a cooperação Sul-Sul em três momentos de política externa: os governos Jânio Quadros/João Goulart, Ernesto Geisel e Luiz Inácio Lula da Silva. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011.

MALOMALO, Bas´Ilele; LOURAU, Julie; SOUZA, Osmaria Rosa. A UNILAB na perspectiva da cooperação Sul-Sul : uma análise crítica decolonial africana. Cadernos do CEAS, Salvador/Recife, n. 245, p. 517-552, set./dez., 2018. Disponível em: https://cadernosdoceas.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/view/454/405. Acesso em: 10 dez. 2019.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PINTO, Jeremias Pereira; SILVA, Julie Sarah Lourau Alves da. Uma crítica sobre o racismo científico, o mito da democracia racial e apresentação de um novo olhar sobre racismo no Brasil. In: SEMANA DE MOBILIZAÇÃO CIENTÍFICA – SEMOC, 22, Salvador, 2019. Anais [...]. Salvador: UCSAL, 2019. Disponível em: http://ri.ucsal.br:8080/jspui/bitstream/prefix/1279/1/uma crítica sobre o racismo científico, o mito da democracia racial e apresentação de um novo olhar sobre racismo no brasil.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019. [no prelo].

PIOVESAN, Flávia. Ações Afirmativas sob a Perspectiva dos Direitos Humanos. SANTOS. Sales Augusto dos (Org.). Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação/ UNESCO, 2005. p. 35-45. Disponível em: http://etnicoracial.mec.gov.br/images/pdf/publicacoes/acoes_afirm_combate_racismo_americas.pdf. Acesso em: 02 dez. 2019.

SANTOS, Celso José dos. O Estatuto da Igualdade Racial - Avanços, limites e potencialidades. Cadernos de Educação, Brasília, n. 23, p. 147-163, jul./dez. 2010. Disponível em: https://www.sinprodf.org.br/wp-content/uploads/2015/02/01-o-estatuto-da-igualdade-racial.pdf. Acesso em: 02 dez. 2019.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Espetáculo da miscigenação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 8, n. 20, jan./abr. 1994. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v8n20/v8n20a17. Acesso em: 05 jun. 2019.

SÃO BERNARDO, Augusto Sérgio. Ética da diferença e criminalização racial. In: Brado Negro. 2005. Disponível em: Acesso em: http://bradonegro.com/content/arquivo/12122018_132500.pdf . 30 nov. 2019.

SILVA, Mateus Lôbo de Aquino Moura e. Casa-grande & senzala e o mito da democracia racial. ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 39, 2015, Caxambu-MG. Anais [...]. São Paulo: Anpocs, 2015. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-39-encontro/gt/gt28/9704-casa-grande-e-senzala-e-o-mito-da-democracia-racial/file. Acesso em: 10 jun. 2019.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2020.n251.p619-638

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais