DIREITOS HUMANOS E INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO DE CASO ACERCA DAS REPRESENTAÇÕES DOCENTES E DISCENTES COM DEFICIÊNCIA, SOB O ESCOPO DA DIVERSIDADE E ALTERIDADE

Antonio Carlos da Silva, Matheus Martins de Oliveira

Resumo


O presente artigo pretende descrever e analisar as representações conceituais sobre Direitos Humanos e Inclusão social, tomando como comunidade alvo docentes e discentes da Universidade Católica do Salvador, pertencente ao biênio 2018/9. Verificar-se-á através de metodologia qualitativa os quatro eixos que compõem o objeto-tema (direitos humanos, inclusão social, diversidade e alteridade) descrevendo conteúdos a partir da experiência acadêmica e social permeadas na formação continuada (ensino, pesquisa, extensão) durante curso superior. Uso de levantamento bibliográfico e legislativo, com destaque às diretrizes do Plano Nacional e Estadual de Educação para Direitos Humanos, instituições do sistema de justiça nacional e estadual, planejamento e matrizes curriculares institucionais (Justiça e Educação Superior), também houve procedimento de coleta de dados junto aos sujeitos envolvidos na comunidade acadêmica, quais sejam, gestores/as, corpo docente e discente em suas múltiplas áreas e modalidades, buscando retratar e usar a abordagem de cartografia social para descrever e analisar as representações atinentes ao eixo da investigação.


Palavras-chave


Direitos Humanos. Inclusão. Diversidade. Educação.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. 2.ed. tradução Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2012.

BAHIA. Conselho Estadual de Educação. Resolução CEE nº 79, de 15 de setembro de 2009. Diário Oficial do Estado da Bahia. Salvador: 26 e 27 de set. 2009.

BAHIA. Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos. - Bahia: Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos. Plano do Estado da Bahia de Educação em Direitos Humanos, Salvador, 2009.

BAHIA. Secretaria da Educação. Coletânea Legislação Básica Educacional. Salvador: Superintendência de Organização e Atendimento da Rede Escolar/SEC.

BOBBIO, Noberto. A Era dos Direitos. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOBBIO. Norberto. A Teoria das Formas de Governo. Brasília: UnB, 2008.

BRASIL. Cartilha do Censo 2010: Pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2006.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Decreto Legislativo nº 186/2008 – Decreto nº 6.949/2009. 4. ed. 4. rev. e atualizada. Brasília, 2012.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.

BRASIL. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica - Modalidade Educação Especial. Resolução - Nº. 4 CNE/ CEB 2009.

BRASIL. Lei 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2015.

BRASIL. Ministério Público Federal. O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular de ensino. Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (Orgs). Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

BRASIL. Notas estatísticas do Censo Escolar 2017. Brasília, DF: INEP, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Notas estatísticas do Censo Escolar 2018. Brasília, DF: INEP, 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/apresentacao_censo_superior2018.pdf. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Janeiro de 2008. Disponível: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000011730.pdf Acesso em 15 de nov. de 2020.

BRASIL. SEESP / SEED / MEC (2007). Atendimento Educacional Especializado (AEE). Formação continuada à distância de professores para o atendimento educacional especializado. Deficiência Física. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_df.pdf. Acesso em: 10 mai. 2020.

CARDIAL, Edmílson. Matrículas de alunos com deficiência representam menos de 0,5% do total. Revista do Ensino Superior, edição 225. 24 de janeiro de 2018. Disponível em: http://www.revistaensinosuperior.com.br/matriculas-de-alunos-com-deficiencia-representammenos-de-05-do-total/. Acesso em: fevereiro de 2019.

CAVALCANTI, Vanessa Ribeiro Simon; SILVA, Antonio Carlos da. Entre mundos e discursos em prol dos Direitos Humanos: enlaces, agendas e redes ampliadas. In: BALLESTEROS, María De La Paz et. al. Pasado y presente de los Derechos Humanos: Mirando al futuro. Madrid: Catarata, 2016, pp. 447-459.

CAVALCANTI, Vanessa Ribeiro Simon; SILVA, Antonio Carlos da. Trilhas de uma história contemporânea: humanos direitos como agenda cada vez mais urgente. 4º CONIDH: Direito Internacional dos Direitos Humanos, Democracia e Segurança, 2019, p. 12-26.

CHATEAU, Lilian et al. A associação da expressão necessidades especiais ao conceito de deficiência. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, v. 12, n. 1, 2018.

CUNHA JÚNIOR, Dirley. Curso de Direito Constitucional. Salvador: JusPodivm, 2015.

D' ALBUQUERQUE, T. R. L. O Estatuto da Pessoa com Deficiência e as Novas Perspectivas em torno da Mudança da Capacidade Civil. 2017. 117f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Direito, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

DE MARCO, Mario Alfredo. Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: um projeto de educação permanente. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 30, n. 1, p. 60-72, 2006.

STRAUB, Richard O. Psicologia da saúde: uma abordagem biopsicossocial. Porto Alegre: Artmed, 2014.

DINIZ, Debora. O que é deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007. (Coleção Primeiros Passos; 324)

DUARTE, Clarice Seixas. A educação como um direito fundamental de natureza social. Educação e Sociedade, Campinas, vol.28, n. 100 - Especial, 691-713, out. 2007, p.692. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a0428100.pdf. Acesso em: 04 mai. 2020.

ESTEVÃO, Carlos Alberto Vilar. Direitos Humanos, Justiça e Educação: uma análise crítica das suas relações complexas em tempos Anormais. Ijuí: Unijuí, 2015.

ESTEVÃO, Carlos Alberto Vilar. Educação, justiça e direitos humanos. Educação e Pesquisa, 2006, vol.32, n.1, pp. 85-101.

FARIAS, Cristiano Chaves; CUNHA, Rogério; PINTO, Ronaldo. Estatuto da pessoa com deficiência comentado artigo por artigo - Conforme novo CPC. Salvador: JusPodivm, 2016.

FONTELES, S. S. Direitos Fundamentais. 2. ed. Salvador: Editora JusPodivm, 2016.

FREIRE, Paulo. Educação: o sonho possível. In: BRANDÃO, Carlos R. (Org.). O Educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

GARDNER, Howard; CHEN, Jie-Qi; MORAN, Seana. Inteligências múltiplas. São Paulo: Penso Editora, 2009.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs.). Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS; Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS – (Coord.). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GOFFMAN, Ervig. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Trad. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: Copyright, 1988.

HÖFFE, Otfried. O que é justiça? Porto Alegre: Edipucrs, 2003.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

KUNTZ, Rolf. Locke, liberdade, igualdade e propriedade. Clássicos do pensamento político, v. 2, p. 91-119, 1998.

KURZ, Robert. A Economia Política dos Direitos Humanos. Tradução de José Paulo Vaz, 08.11.2002 Disponível em http://obeco.planetaclix.pt/rkurz110.htm Acesso em 16 de março de 2021.

KURZ, Robert. Os paradoxos dos Direitos Humanos: inclusão e exclusão na modernidade. Disponível em http://obeco.planetaclix.pt/rkurz116.htm Acesso em 16 de março de 2021.

LAZARI, Rafael de; GARCIA, Bruna. Manual de direitos humanos. Salvador: JusPodivm, 2017.

LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado: igualdade formal e material. São Paulo: Saraiva, 2010.

LYRA FILHO, Roberto. O que é Direito. São Paulo: Brasiliense, 2003. (Coleção Primeiros Passos, 62).

MARQUES, Carlos Alberto. A estrutura paralela do ensino especial. Tribuna da Tarde, Juiz de Fora, 10 jul. 1992

MARQUES. Carlos Alberto. Implicações políticas da institucionalização da deficiência. Educação & sociedade, v. 19, n. 62, p. 105-122, 1998.

MARSHALL, Thomas Humprey. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

ONU, Organização das Nações Unidas. 2006a. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Doc. A/61/611, Nova Iorque, 13 dez.

ONU, Organização das Nações Unidas. 2006b. Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Doc. A/61/611, Nova Iorque, 13 dez.

ONU, Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro de 1948. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/imagens/0013/001394/139423por.pdf. Acesso em: 15 nov. 2020.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: Saraiva, 2013.

PIOVESAN, Flávia. Proteção dos direitos sociais: desafios do ius commune sul-americano. Rev. TST, Brasília, v. 77, n. 4, 2011, p. 105. Disponível em: https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/28340/004_piovesan.pdf Acesso em: 04 mai 2021.

PIOVESAN. Flávia. Temas de direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2017.

PUPPIN, Andrea. Da atualidade de Goffman para a análise de casos de interação social: deficientes, educação e estigma. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, [S.l.], v. 80, n. 195, 1999.

RAMOS, André de Carvalho. Processo internacional de direitos humanos: análise dos sistemas de apuração de violações dos direitos humanos e a implementação das decisões no Brasil. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

RAUPP, Fabiano Maury; BEUREN, Ilse Maria. Ciências Sociais Aplicáveis às Ciências Sociais. In: BEUREN, Ilse Maria (Org.) Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, 2013, p. 76-97.

RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. Em Aberto, v. 1, n. 10, 2011.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Pólen, 2019.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; ENS, Romilda Teodora. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte" em educação. Revista diálogo educacional, [S.l], v. 6, n. 19, p. 37-50, 2006.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Mídia e deficiência. Brasília: Andi/Fundação Banco do Brasil, p. 160-165, 2003.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 1998.

SOARES, Maria Victoria de Mesquita Benevides. Cidadania e direitos humanos. Cadernos de pesquisa, n. 104, p. 39-46, 2013.

SOARES, Ricardo Maurício Freire. O princípio constitucional da dignidade da pessoa humana. São Paulo: Saraiva, 2017.

STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. 8.ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.

UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Inclusão digital e social de pessoas com deficiência: textos de referência para monitores de telecentros. Brasília: UNESCO, 2007. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000160012 Acesso em: 22 abr. 2020.

VASCONCELLOS, Milton Silva de. Uma cidade deficiente: o acesso às praias para pessoas com deficiência física em Salvador. 115f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Cidadania, Universidade Católica do Salvador, Salvador, 2019.

WOLKMER, Antonio Carlos. Direitos Humanos: novas dimensões e novas fundamentações. Revista Direito em Debate, v. 11, n. 16-17, 2002.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo jurídico, direitos humanos e interculturalidade. Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, v. 27, n. 53, p. 113-128, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2021.n252.p103-133

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais