DELINEAMENTOS NORMATIVOS DA CONTINGENCIA HOSPITALAR NO ENFRENTAMENTO DA COVID-19 NO BRASIL

Maria Joseane Aparecida Duarte, Thadeu Borges Souza Santos, Laise Rezende de Andrade, Isabela Cardoso de Matos Pinto

Resumo


Analisar o marco normativo-legal da política pública de saúde formulada pelo Ministério da Saúde para contingência hospitalar frente à pandemia da Covid-19 no Brasil. Estudo de revisão documental com base na leitura em profundidade de 552 documentos ministeriais, elaborados no período de fevereiro a dezembro de 2020. Os documentos foram submetidos à análise de conteúdo, extraindo-se trechos relativos às quatro dimensões de estruturação de sistemas de saúde propostas pela Organização Mundial de Saúde: estrutura, equipe, suprimentos e sistemas. Os resultados foram discutidos à luz das orientações do Conselho Nacional de Secretários Estaduais e Municipais de Saúde com relação à reorganização da atenção hospitalar no contexto da pandemia e das propostas sobre esse tema apresentadas no “Plano Nacional de enfrentamento da pandemia da Covid-19” da Frente pela Vida.  A partir do marco normativo-legal percebe-se a ênfase na oferta de serviços e leitos hospitalares, viabilização de programa nacional de alocação de profissionais de saúde, adoção de estratégias de aquisição de equipamentos de ventilação mecânica e insumos e readequação do componente financiamento do sistema com vistas à crise sanitária. A preocupação com a atenção hospitalar também foi identificada no documento do CONASS e CONASEMS (2020) que sugere melhor utilização da capacidade instalada hospitalar e destaca a necessidade de revisão imediata do sistema de fornecimento de oxigênio e outros insumos. Na perspectiva da sociedade civil organizada, a FPV destaca a preocupação com os trabalhadores da saúde como suporte imprescindível para estruturar a expansão e instalação de leitos. Defende também o gerenciamento da capacidade hospitalar com instituição de uma fila única de casos graves de COVID-19. A triangulação entre atos normativos e documentos analisados identificou coerência no aspecto alocação de profissionais e ampliação de leitos de contingencia, porém revela a fragilidade gestora relacionada à fixação de pessoal, plano de educação permanente, reorientação do processo de trabalho, responsabilidade logística, desconsideração do problema de vazios assistenciais e desconsideração da necessidade de implementação de linha de cuidado que garantisse cuidado integral do atendimento pré-hospitalar ao pós-hospitalar dos pacientes com Covid-19.


Palavras-chave


Infecção por coronavírus. Plano de contingência. Política pública de saúde. Atenção hospitalar no SUS. Controle social.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRASCO (org.). Plano Nacional de Enfrentamento à Pandemia da COVID-19. 3. ed. [S.l.]: Frente Pela Vida. 2020, 111p. Disponível em: Acesso em: 14 abr. 2020.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de Política. 3. ed. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1991. v. 2, p. 933-941.

BRASIL. Decreto n° 10.211, de 30 de janeiro de 2020. Dispõe sobre o Grupo Executivo Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional - GEI-ESPII. Diário Oficial da União, 30 jan. 2020.

BRASIL. Lei n° 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 20 set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV). Brasília: SVS/MS; 2020.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Infecção Humana pelo Novo Coronavírus (2019-nCoV). Boletim Epidemiológico n° 1. Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública - COE-nCoV. COE 01. Brasília, 28 jan. 2020.

BRASIL. Portaria n° 188 de 3 de fevereiro de 2020. Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infecção Humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV). Diário Oficial da União, 3 fev. 2020.

BRASIL. Portaria n° 188 de 3 de fevereiro de 2020. Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infecção Humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV). Diário Oficial da União, 3 fev. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. STF. Medida Cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade 6341. Relator Ministro Marco Aurélio. Brasília, maio de 2020.

CANABRAVA, C. M. 2021. O acesso à atenção especializada hospitalar no SUS na pandemia de COVID-19: ampliação, insuficiência e iniquidade. In: SANTOS, A. O.; LOPES, L. T. Acesso e Cuidados Especializados. Brasília: CONASS, 2021. v. 5, P. 42-59 (Coleção COVID-19).

CONASS. Coleção COVID-19. 2020. Brasília, 2021. v. 1, 2, 3, 4, 5, 6. Disponível em: Acesso em: 03 maio 2021.

CONASS. Coronavírus 2019-CoV Informação para a Gestão - Painel Covid-19. Disponível em: Acesso em: 01 maio 2020. em: . Acesso em 03 maio 2021.

FIOCRUZ. MonitoraCovid-19. Disponível em: < https://bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/>. Acesso em: 01 maio 2020.

FREY, K. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática de análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, Rio de Janeiro, n. 21, 2000.

HOPKINS, J. Coronavirus Resource Center.[S.l.]; [2021?]. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2021.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). COVID-19 Strategic preparedness and response plan operational planning guidelines to support country preparedness and response. Genebra: OMS; 2020a. Disponível em: Acesso em: 03 maio 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). International Health Regulations. Genebra, 2005b.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Strengthening the health systems response to COVID-19: technical guidance #2: creating surge capacity for acute and intensive care. WHO. Regional Office for Europe. 2020c. Disponível em: Acesso em: 03 maio 2021.

PAIM, J. S.; TEIXEIRA, C. F. Política, planejamento e gestão em saúde: balanço do estado da arte. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 40, p. 73-78, ago., 2006. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2021.

PAIM, J.S. Reforma Sanitária Brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Salvador: EDUFBA; Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2008.

PINTO; I. C. M. et. al. Atenção Hospitalar na Pandemia. Boletim Observa COVID, [S.l.], ano 2, ed. 6, abr. 2021. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2021.

RAGGIO, A. M. B. CONASS e CONASEMS: atuação dos conselhos representativos. In: SANTOS, A. O., LOPES, L. T. Principais elementos. Brasília: CONASS, 2021. v. 1, p. 154-167 (Coleção COVID-19).

SANTOS, T. B. S, et. al. Contingência hospitalar no enfrentamento da covid-19 no Brasil: problemas e alternativas governamentais. Cien Saude Colet, [S.l.], Disponível em: Acesso em: 20 dez. 2020.

SCHULZE, C. J. Diálogos Institucionais e a COVID-19: o legado da tragédia. In: SANTOS, A. O., LOPES, L. T. Principais elementos. Brasília: CONASS. 2021. v.1, p. 66-76. (Coleção COVID-19).

TEIXEIRA, C.; SILVEIRA, P. Glossário de análise política em Saúde. Salvador: EDUFBA, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Strengthening the health systems response to COVID-19: technical guidance #2: creating surge capacity for acute and intensive care Regional Office for Europe, WHO. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2021.n252.p18-48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais