A IDEIA DE LIBERDADE NA OBRA LITERÁRIA “O CONTO DA AIA” E SEUS DESVIOS ACERCA DA TEORIA TRIDIMENSIONAL DO DIREITO CONSTITUCIONAL

DIEGO DE MEDEIROS SANTOS, Ubiratham Rogério Soares

Resumo


RESUMO: O propósito deste artigo é apresentar um estudo de uma sociedade distópica que não possui a divisão essencial do direito proposto pela teoria Tridimensional do Direito no livro Lições Preliminares de Direito. O livro aponta que para a resolução de uma causa jurídica e social deve haver a atuação do Formalismo Normativista, Sociologismo Jurídico e Moralismo Jurídico. Na sociedade exposta na obra literária, O Conto da Aia, a escritora, Margaret Atwood, manifesta um estado teocrático, no qual as decisões são corrompidas pela heterogeneidade do julgamento, ou seja, conclusões deterministas geradas com base nas escrituras divinas sendo o documento que rege o estado. A analogia busca apresentar quais são as condições constitucionais do direito e qual o comportamento humano sem o acesso aos direitos básicos, como também a quebra do tridimensionalismo jurídico e seus impactos nas relações político-sociais.

Palavras-chave: Liberdade humana. Constitucionalismo. Totalitarismo. Distopia.


Texto completo:

PDF

Referências


ARNALT, Cezar. Virtù e Fortuna no pensamento político de Maquiavel. Paraná: Departamento de Fundamentos da Educação, Universidade Estadual de Maringá. 2002. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/2414/1695. Acesso em 22/04/2020.

ASSEMBLEIA GERAL DA ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: https://brasa.org.br/declaracao-universal-dos-direitos humanos. Acesso em 02/04/2020.

ATWOOD, Margaret. O Conto da Aia. Rio de Janeiro, Editora Rocco LTDA, 2017.

BARBIÉRI, Luiz. CNJ registra pelo menos 812 mil presos no país; 41,5% não têm condenação. G1 GLOBO. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/07/17/cnj-registra-pelo-menos-812-mil presos-no-pais-415percent-nao-tem-condenacao.ghtml. Acesso em 23/04/2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Biênio 2003-2004. Brasília: Senado Federal, 2004.

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias INFOPEN. 2014. Disponível em: https://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf. Acesso em 01/05/2020.

ELIAS, Nobert. Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro, ZAHAR, ed. 1, 1994.

CAMARGO, Orson. "Conceito de Cidadania"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/cidadania-ou-estadania.htm. Acesso em 23 de abril de 2020.

SARAMAGO, José. Ensaio Sobre a Cegueira. São Paulo, Companhia das Letras, ed. 1, 1995.

FIORELLI e MANGINI. Psicologia Jurídica. São Paulo, Editora Atlas AS, ed.6, 2015.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Lisboa, Edições 70, 2013.

GIGANTE, Rodrigo. Do Jusnaturalismo ao Juspositivismo: uma breve história do pensamento jurídico. Revista Intertemas, São Paulo, 1677-1281, 2010. Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/Direito/article/view/2678. Acesso em 08/03/2020.

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. São Paulo, Editora Martin Claret, 2003.

NEVES, Marcelo. Transconstitucionalismo. São Paulo, Editora Lua Nova, 2014.

ORWEEL, George. 1984. São Paulo, Companhia de Letras, 2009.

REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. São Paulo, Editora Saraiva, ed.27, 2014.

ROUSSEAU, Jean- Jacques. Do Contrato Social. São Paulo, Editora Martin Claret, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Direitos Fundamentais e Alteridade