Catolicismo e Representação Política no Pensamento de Carl Schmitt

Alexandre Douglas Zaidan de Carvalho

Resumo


O artigo trata da relação entre o catolicismo e a natureza do político em Carl Schmitt, investigando as noções de complexio oppositorum e representação, trabalhadas na obra Catolicismo Romano e Forma Política, e qual a sua influência para o estabelecimento do vínculo entre uma típica racionalidade jurídica presente no modo hierárquico de organização da Igreja católica e a ideia de representação política. O objetivo do trabalho é entender parte da crítica schmittiana ao funcionamento das democracias liberais a partir da consideração de que na articulação entre a representatividade católica e o poder estatal restaria o sentido do político, cuja reprodução estaria incapacitada pelas instituições modernas em virtude da negação discursiva da validade de uma dimensão teológica como essencial à dinâmica funcional institucionalizada do poder político, característica do processo de secularização e diferenciação social na modernidade.               

Texto completo:

PDF

Referências


ARGÜELLO, Katie (2000). “Decisionismo: um Confronto entre Max Weber e Carl Schmitt” In: Revista da Faculdade de Direito da UFPR. Curitiba, v. 33, p. 65-81.

BERMAN, Harold (2006). Direito e Revolução: a formação da tradição jurídica ocidental. São Leopoldo: Editora Unisinos.

CASTELO BRANCO, Pedro Hermílio Villas Bôas (2006). “A Sociologia dos Conceitos e a História dos Conceitos: um Diálogo entre Carl Schmitt e Reinhert Koselleck” In: Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n. 1, jan./abr. 2006, p. 133-138.

FERREIRA, Bernardo. (2004 a) O Risco do Político: crítica ao liberalismo e teoria política no pensamento de Carl Schmitt. Belo Horizonte: Editora UFMG.

_______. (2004 b) “Schmitt, Representação e Forma Política” In: Revista Lua Nova, São Paulo, nº 61, p. 25-51.

KALYVAS, Andreas (2008). Democracy and the Politics of the Extraordinary: Max Weber, Carl Schmitt and Hannah Arendt. New York: Cambridge University Press.

KELLY, Duncan (2004). “Carl Schmitt’s Theory of Representation”. In: Journal of the History of Ideas. Vol. 65, n. 1, jan./2004, p. 113-14.

KOSELLECK, Reinhart (1999). Crítica e Crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: Contraponto.

_______ (2006). Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto.

LUTERO, Martinho & CALVINO, João (2005). Sobre a Autoridade Secular. São Paulo; Wmf Martins Fontes.

MARRAMAO, Giacomo (1997). Céu e Terra: genealogia da secularização. São Paulo: Fundação Editora da UNESP.

_______ (1995). Poder e Secularização: as categorias do tempo. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

MARDER, Michael (2008). “Carl Schmitt’s ‘Cosmopolitan Restaurant’: Culture, Multiculturalism, and Complexio Oppositorum” In: Telos, n. 142 (Spring 2008), p. 29-47.

PIERUCCI, Antonio Flavio (1998). “Secularização em Max Weber: da Contemporânea Serventia de Voltarmos a Acessar aquele Velho Sentido”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol. 13, n. 37, São Paulo, pp. 43-73.

ROSSI, Miguel Ángel (2009). “A Problemática da Representação Política no Pensamento de Carl Schmitt”. In: Prometeus Filosofia em Revista. a. 2, n. 4, jul./dez., p. 88-102.

SCHMITT, Carl. (1998) Catolicismo Romano e Forma Política. Trad. Alexandre Franco de Sá. Lisboa: Hugin Editores.

_______. (2009) Teología Política. Trad. Francisco Javier Conde y Jorge Navarro Pérez. Madrid: Editorial Trotta.

WEBER, Max. (2004) A Ética Protestante e o ‘Espírito’ do Capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras.

_______. (1999) Economia e Sociedade. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

TRUBEK, David (2007). “Max Weber sobre Direito e Ascensão do Capitalismo”. In: Revista Direito GV. vol. 3, n. 1, pp. 151-186.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Direitos Fundamentais e Alteridade