FEMINISMO DECOLONIAL E MULHERES COM DEFICIÊNCIA: novos direitos e vulnerabilidades

Iara Antunes de Souza, Karine Lemos Gomes Ribeiro, Daniele Aparecyda Vali Carvalho

Resumo


A presente pesquisa teve por finalidade compreender se a aplicação do feminismo decolonial à mulher com deficiência é uma forma de reconhecer suas vulnerabilidades e atribuir-lhes novos direitos. A justificativa da empreitada é patente, posto que o estudo pode servir para descortinar novos direitos para as mulheres com deficiência, além de contemplá-las em uma pauta mais inclusiva e representativa dos direitos das mulheres do Sul, qual seja o movimento feminista decolonial. Dessa forma, adotou-se como marco teórico os estudos da pessoa com deficiência a partir da autora Iara Antunes de Souza, pelo que a pesquisa teórico-dogmática teve papel primordial para o fim que se propõe. A hipótese traçada e confirmada nos resultados da pesquisa é de que o feminismo decolonial, enquanto prática de resistência às opressões coloniais, pode representar, para as mulheres com deficiência, uma forma de reconhecer suas vulnerabilidades e atribuir-lhes novos direitos, diante do potencial de inclusão e ressignificação do gênero feminino pela perspectiva decolonial.


Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco. Igualdade: 3 dimensões, 3 desafios. In.: CLÈVE, Clèmerson Merlin; FREIRE, Alexandre. Direitos fundamentais e jurisdição constitucional: análise, crítica e contribuições. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014. p.73-98.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. Feminismos Subalternos. Estudos Feministas, Florianópolis, p. 1035 – 1054, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/gW3NgWK4bpj9VHJCNTxx96n/?lang=pt. Acesso em: 27 jun. 2021.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo sexo: fatos e mitos. 4 ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.

BERTH, Joice. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2018.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Tradução por Carlos Nélson Coutinho. 5 reimp. Rio de Janeiro: Campus, 1992. Título original: L’ età dei Diritti.

BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 7. ed. São Paulo: Malheiros, 1997.

BRASIL. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de marco de 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 09 nov. 2015.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em Movimento. Estudos Avançados, Universidade de São Paulo, p. 117 – 132, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/Zs869RQTMGGDj586JD7nr6k/?lang=pt. Acesso em: 27 jun. 2021.

CASTRO, Susana de. O que é feminismo decolonial? Revista Cult, São Paulo, ed. 262, outubro 2020. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/dossie-o-que-e-o-feminismo-decolonial/#:~:text=O%20feminismo%20decolonial%20acad%C3%AAmico%20surge,moderno%2Dcolonial%20de%20g%C3%AAnero%E2%80%9D. Acesso em: 27 jun. 2021.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da siscriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 10, nº 1, p. 171 – 188, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/abstract/?lang=pt. Acesso em: 27 jun. 2021.

DUSSEL, Enrique. 1492; o encobrimento do outro; a origem da modernidade. Tradução CLASEN, Jaime - Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

FERREIRA, Paula Camila Veiga; NOGUEIRA, Roberto Henrique Porto. Teoria política feminista sul-global: perspectivas do feminismo transnacional para uma transposição epistemológica rumo à alteridade e à igualdade substancial. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, v. 03, n. 02, 2017. Disponível em: www.indexlaw.org/index.php/revistagsd/article/view/2308. Acesso em: 26 abr. 2018.

KONDER, Carlos Nelson. Vulnerabilidade Patrimonial e Vulnerabilidade Existencial: por um sistema diferenciador. Revista de Direito do Consumidor. vol. 99/2015. p. 101 – 123. Mai - Jun / 2015. Disponível em: https://revistadedireitodoconsumidor.emnuvens.com.br/rdc/article/view/349. Acesso em: 27 jun. 2021.

LANDER, Edgardo. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 7-24,2005Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624092356/4_Lander.pdf. Acesso em 29 de jun.2021.

LUGONES, María. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Universidad Colegio Mayor de Cundinamarca. Bogotá, Colombia, núm. 9, p.73-101, 2008. Disponível em: https://www.revistatabularasa.org/numero-9/05lugones.pdf. Acesso em: 27 jun. 2021.

LUGONES, María (2007), Heterosexualism and the Colonial/Modern Gender System, Hypatia, v. 22, nº1, p. 186- 209, 2007. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4251730/mod_resource/content/0/heterosexualism%20and%20the%20colonail%20modern%20gender%20system%20maria%20lugones.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

LUIZ. Carla Garcia. Deficiência pela Perspectiva dos Direitos Humanos. Guia Mulheres com Deficiência: Garantia dos Direitos para Exercício da Cidadania. Maio de 2020.

MATOS, Ana Carla Harmatiuk, OLIVEIRA, Lígia Ziggiotti de. Além do estatuto da pessoa com deficiência: reflexões a partir de uma compreensão dos direitos humanos. In: RUBIO, David Sánchez; OLIVEIRA, Liziane Paixão Silva; COELHO, Carla Jeane Helfemsteller (coord.). Teorias críticas e direitos humanos: contra o sofrimento e a injustiça social. Curitiba: CRV, 2016. p.311-329

MATOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global? Rev. Sociol. Polit. Curitiba, vol.18 no.36, p. 67-92, jun. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rsocp/a/d3NZRM8zPZb49RYwdSPr5jQ/abstract/?lang=pt. Acesso em: 27 jun. 2021.

MELKEVIK, Bjarne. Vulnerabilidade, direito e autonomia: um ensaio sobre o sujeito de direito. Revista Faculdade Direito UFMG, Belo Horizonte, n. 71, pp. 641-673, jul./dez. 2017. Disponível em: https://revista.direito.ufmg.br/index.php/revista/article/view/1877. Acesso em: 27 jun. 2021.

MELLO, Anahi Guedes de. Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciência & Saúde Coletiva, v. 01, nº 10, p. 3265-3276, 2016a. Disponível em: https://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/deficiencia-incapacidade-e-vulnerabilidade-do-capacitismo-ou-a-preeminencia-capacitista-e-biomedica-do-comite-de-etica-em-pesquisa-da-ufsc/16546?id=16546. Acesso em: 29 jun. 2021.

MELLO, Anahi Guedes de. Economia moral do cuidado: um estudo sobre violências contra mulheres com deficiência em Belo Horizonte. In: VEIGA, Ana Maria; LISBOA, Teresa Kleba; WOLFF, Cristina Scheibe (org.). Gênero e violências: diálogos interdisciplinares.(Série Diversidades). Florianópolis: Edições do Bosque/CFH/UFSC, p. 86-120, 2016b. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/171684/G%C3%AAnero%20e%20Viol%C3%AAncias_digital.pdf?sequence=2&isAllowed=y. Acesso em: 29 jun. 2021.

MELLO, Anahi Guedes. Mulheres com Deficiência no Brasil. Guia Mulheres com Deficiência: Garantia dos Direitos para Exercício da Cidadania. Maio de 2020. Disponível em: https://www.mpma.mp.br/arquivos/CAOPID/publicacoes/12359_guia_feminista_helen_keller_mulheres_com_deficiencia_.pdf. Acesso em: 29 de jun. 2021.

MOHANTY, Chandra Talpade. Bajo los ojos de Ocidente: feminismos académicos y discursos coloniales. In: NAVAZ, Liliana; CASTILLO, Rosalva (Eds.). Descolonizando el feminismo: teorías y prácticas desde los márgenes, ed. Cátedra, Madrid, p. 01- 23, 2008. Disponível em: https://www.feministas.org/IMG/pdf/articulo_libro_descolonizando_el_feminismo-.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

MONTEIRO, Kimberly Farias; GRUBBA, Leilane Serratine. A luta das mulheres pelo espaço público na primeira onda do feminismo: de suffragettes às sufragistas. Direito e Desenvolvimento, João Pessoa, v. 8, n. 2, 2017. Disponível em: https://periodicos.unipe.br/index.php/direitoedesenvolvimento/article/view/563. Acesso em: 29 jun. 2021.

MURTA, Sheila Giardini; SANTOS, Bruna Roberta Pereira dos; ARAÚJO, Ivy Fonseca de; MARTINS, Camila Perna Santos; OLIVEIRA, Brisa; CANGUSSÚ, Eudes Diógenes Alves. Intervenção Breve para Promoção de Direitos Sexuais e Reprodutivos e Prevenção à Violência no Namoro em Adolescentes. ZANELLO, Valeska; ANDRADE, Ana Paula Müller. Saúde Mental e Gênero: Diálogos, Práticas e Interdisciplinaridade. Curitiba: Editora Appris, 2014. p. 213-238.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y America latina. LANDER, Edgardo. In: Colonialidad del Saber, Eurocentrismo y Ciencias Sociales. Buenos Aires, CLACSO-UNESCO, 2000, p. 201-246.

RIBEIRO, Djamila. As diversas ondas do feminismo acadêmico. Carta Capital, 2014. Disponível em: www.cartacapital.com.br/blogs/escritorio-feminista/feminismoacademico-9622.html. Acesso em: 26 abr. 2018.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES [Online], 18. 2012. Disponível em: http://journals.openedition.org/eces/1533. Acesso em: 29 jun. 2021.

SOUZA, Iara Antunes. Estatuto da Pessoa com Deficiência: curatela e saúde mental. 1. ed. Belo Horizonte: D'Plácido Editora, 2016. 464p.

SOUZA, Iara Antunes; NOGUEIRA, Roberto Henrique Porto. Vulnerabilidade da pessoa com deficiência, acessibilidade e incorporação imobiliária. In.: CAMPOS, Aline França; BRITO, Beatriz Gontijo de [Orgs.]. Desafios e perspectivas do direito imobiliário contemporâneo. Vol. 2. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2019. p. 45-70

SOUZA, Jessé. A gramática social da desigualdade brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 19. N. 54, p. 79 – 97, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/s9LNmXtYm6KRFPJxwmrvwPq/?format=pdf〈=pt. Acesso em: 29 jun. 2021.

TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado; RODRIGUES, Renata de Lima. A travessia da autonomia da mulher na pós-modernidade: da superação de vulnerabilidades à afirmação de uma pauta positiva de emancipação. Pensar: Revista de Ciências Jurídicas. Fortaleza, v. 23, n. 3, p. 1-20, jul./set. 2018. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rpen/article/view/7777#:~:text=O%20itiner%C3%A1rio%20da%20mulher%20no,influxos%20sociais%20e%20mudan%C3%A7as%20hist%C3%B3ricas. Acesso em: 29 jun. 2021.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve História do Feminismo no Brasil. São Paulo: brasiliense, 1993.

TIBURI, Marcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. 5ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

WOLKMER, Antônio Carlos. Introdução aos Fundamentos de uma Teoria Geral dos 'Novos' Direitos. Revista Jurídica Unicuritiba, v. 2, n. 31, p. 121-148, 2013. Disponível em: revista.unicuritiba.edu.br/index.php/RevJur/article/view/593/454. Acesso em: 12 ago. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Direitos Fundamentais e Alteridade